ASP-GO 2019 – RECURSO-LÍNGUA PORTUGUESA –

Prof. Diego Amorim

 :Questão REDAÇÃO OFICIAL – TIPO A

INSTRUÇÃO:

  1. VEJA QUAL SEU TIPO DE PROVA E QUAL É A QUESTÃO DE REDAÇÃO OFICIAL
  2. MUDE AS LETRAS DAS ASSERTIVAS DE ACORDO COM SUA PROVA
  3. CADA PROVA É INDIVIDUAL, ENTÃO, ATENTE À SUA.
  4. SE VOCÊ ACERTOU O GABARITO DADO PELA BANCA, NÃO FAÇA RECURSO. CASO TENHA DADO DIVERGENTE, VOCÊ PRECISA FAZER.

ARGUMENTAÇÃO:

Solicita-se a anulação da questão por não haver resposta possível para o questionamento feito.

Pedia-se que se marcasse a resposta correta quanto ao julgamento de cinco assertivas expostas na questão acerca de uma situação hipotética baseada no Manual de Redação da Presidência da República.

As alternativas apresentadas para análise estão dispostas assim:

  •  deveria dispensar o uso do vocativo, pois, no corpo do texto, seria citado o nome do destinatário.
  •  poderia ser escrita em linguagem informal, pois os interlocutores estariam em um mesmo nível hierárquico.
  •  deveria conter, no texto do local e da data da expedição do documento, a estrutura Cidade-UF, XX/XX/XX.
  •  deveria apresentar o fecho alinhado à margem esquerda da página.
  •  poderia, preferencialmente, apresentar na introdução a construção Tenho a honra de informar que.

A resposta preliminar dada pelo gabarito divulgado foi a de letra D, porém a assertiva contém contradição dentro do Manual de Redação da Presidência da República, causando dubitação no seu julgamento e induzindo ao erro o candidato. Objetivo esse que não é o da douta banca examinadora.

Ressalte-se que não há resposta correta para o que fora questionado e da maneira como o foi, não tendo o que se discutir das outras assertivas em análise.

A assertiva D, aqui objeto de questionamento, está incorreta, porque causa dupla possibilidade de análise e avaliação por parte do candidato, baseado no Manual de Redação da Presidência da República. A saber:

  1. Ao se tomar por base a página 30, item 5.1.7, alínea b, subalínea a, diz-se expressamente ”alinhamento à margem esquerda da página”, deixando correta a assertiva da questão.
  2. Ao se tomar por base a página 30, item 5.1.7, alínea b, subalínea b, diz-se expressamente que o alinhamento se dá a “2,5 com de distância da margem esquerda”, tornando a assertiva da questão analisada errada.
  3. Ao se tomar ainda a página 34, exemplo de Ofício dado no referido Manual, percebe-se que o fecho não está margeado à esquerda e sim em recuo de parágrafo, contendo ali 2,5 com, conforme marcações no próprio exemplo.

Diante das arguições supracitadas, temos que o candidato poderia tanto basear sua resposta no argumento 1 acima, quanto nos argumentos 2 e 3, não incorrendo necessariamente em erro senão em interpretação diferente baseada no mesmo Manual citado no comando da questão. Sendo assim, qualquer uma que fosse sua resposta, ela encontra respaldo seguro no Manual, base de análise.

Para que conste, segue negação das outras assertivas:

A assertiva A é incorreta porque diz que “dispensar o uso de vocativo”. Porém, isso não é verdade porque é elemento obrigatório num documento como o ofício, documento em questão.

A assertiva B é incorreta, pois diz que “poderia ser escrita em linguagem informal”. E isso não é verdade, dado o fato de toda a linguagem de uma comunicação oficial ser de natureza formal, sem exceções previstas no Manual de Redação da Procidência da República.

A assertiva C é incorreta e não se precisa discutir, pois está expresso no referido Manual – nova edição de 17 de dezembro de 2018 – que não se usa mais a sigla da unidade federativa, além de ser escrita por extenso e não separada em barras como está indicado na assertiva.

A assertiva E é incorreta, pois se afirma que se poderia escrever a redação “Tenho a honra de informar que”, e essa não é uma possiblidade no Manual pois fere o princípio da concisão e o da impessoalidade.

Como não há essa possibilidade de marcação, a questão deve ser anulada.

Essas análises foram embasadas no Manual de Redação da Presidência da República, 3ª edição, revista, atualizada e ampliada, Brasília, Presidência da República, 2018.

Sendo assim, pede-se a anulação da questão por não conter assertiva que contemple a pergunta feita, conforme argumentos linguístico-gramaticais apresentados.

Questão TIPOLOGIA TEXTUAL – TIPO A

INSTRUÇÃO:

  1. VEJA QUAL SEU TIPO DE PROVA E QUAL É A QUESTÃO DE REDAÇÃO OFICIAL
  2. MUDE AS LETRAS DAS ASSERTIVAS DE ACORDO COM SUA PROVA
  3. CADA PROVA É INDIVIDUAL, ENTÃO, ATENTE À SUA.
  4. SE VOCÊ ACERTOU O GABARITO DADO PELA BANCA, NÃO FAÇA RECURSO. CASO TENHA DADO DIVERGENTE, VOCÊ PRECISA FAZER.

ARGUMENTAÇÃO:

Solicita-se a mudança de gabarito da questão por não condizer com o texto apresentado a assertiva indicada.

Pedia-se que se marcasse a resposta correta quanto ao julgamento de cinco assertivas expostas na questão acerca de um texto dado quanto à tipologia textual e seus elementos.

As alternativas apresentadas para análise, aqui completas somente as que serão questionadas para a troca de gabarito, alvo deste recurso, estão dispostas assim:

(A) os dois primeiros períodos correspondem à tese de um texto dissertativo-argumentativo, em que se apresenta um ponto de vista acerca da segurança em geral.

(B) o parágrafo é injuntivo (…)

(C) o parágrafo corresponde à introdução de um texto narrativo (…)

(D) o texto é predominantemente descritivo (…)

(E) o texto é expositivo e argumentativo, já que, além de informar o leitor quanto à segurança no Brasil, apresenta opinião a respeito do tema.

A resposta preliminar dada pelo gabarito divulgado foi a de letra E. Porém, o conceito de texto expositivo não se encontra abarcado no texto analisado. Vejamos seus elementos segundo autores renomados como Othon M. Garcia em seu livro Comunicação em Prosa Moderna, 27ª edição, FGV Editora, 7ª Parte, Capítulo IV, que diz que o texto expositivo apresenta informações sobre um objeto ou fato específico, sua descrição e a enumeração de suas características. Esse deve permitir que o leitor identifique, claramente, o tema central do texto – estas partes não há no parágrafo textual “As política de Segurança Pública no Brasil”, texto 3, a ser analisado.

O texto tão somente emite argumentação para convencimento direto do interlocutor acerca da tese colocada em seus períodos, com premissas afirmativas como opiniões do seu autor. Assim perfaz um texto predominantemente argumentativo, conforme expresso em outra assertiva e não naquela cujo gabarito preliminar fora apontado como certo.

Sendo, segundo o professor Paulo Magno torres, a exposição um tipo de discurso cuja principal finalidade é transmitir informação – coisa que não se vê no parágrafo analisado, por conter apenas dados opinativos e não referendados –, é uma das formas de expressão próprias dos textos didáticos – outra característica do texto expositivo não presente no texto analisado.

São exemplos de texto expositivo: o artigo especializado em que um cientista apresenta suas descobertas – não é o caso do texto 3 para julgamento –; a notícia por meio da qual essas descobertas são divulgadas –  também não se encaixa no texto exposto –; uma questão em que o autor desenvolve um tema proposto – outro exemplo que não se encaixa.

Outrossim, encaixa-se no texto dado o conceito de texto argumentativo na medida em que se pode perceber a defesa direta de teses, expostas em premissas durante todo o texto usadas com a finalidade não de informar – o que caracterizaria o texto expositivo – mas de convencer o interlocutor – o que caracteriza o texto argumentativo.

Claro está que se pode prever a presença dos dois tipos de texto, quando a informação dada tenha um embasamento teórico, caracterizando a exposição, e a defesa de tese a utiliza para sua tese ou ponto de vista.

Ainda a saber: para que o propósito informativo se cumpra de maneira satisfatória, o texto expositivo deve reunir muitas qualidades, entre as quais a clareza, a ordem e a objetividade, além de apresentar seu conteúdo de forma compreensível para o interlocutor (clareza) e ser organizado de acordo com um determinado critério (ordem) e sem juízos de valor pessoais – e isso está permeando todo o texto analisado, o que desconfigura sua natureza expositiva, ou seja, as informações devem ser embasadas em fatos justificados e objetivos (objetividade) – e isso não há.

A assertiva A, diante das arguições supracitadas, abarca com completude e correção o que fora pedido, devendo ser ela a assertiva dada como correta. Sendo assim, o gabarito, em respeito ao certame e à douta banca examinadora, deve ser modificado para como sendo o de letra A e não E o correto.

Sendo assim, pede-se a troca de gabarito da questão por razões expendidas.

Muito boa sorte a todos! Espero tê-los ajudado!

Prof. Diego Amorim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X